quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Viajantes - João Oliveira

Há pessoal que arrisca e concretiza um sonho. O João Oliveira largou o emprego, arrendou a casa e colocou a mochila às costas, sozinho. Viajou pelo mundo durante 17 meses e ficou a conhecer pessoas e muitas histórias. Começando no Irão e acabando no Brasil, passou por 23 países.
A notícia estava no Expresso online e cativou-me para saber um pouco mais sobre este viajante. Ele tem um site onde colocou as crónicas e muitas fotografias.

                          
Em pleno século XXI, mais pessoas perseguem o sonho de viajar sem ser em férias, uma viagem de conhecimento e exploração, uma viagem solitária. Há cada vez maiores possibilidades para fazer o mesmo. Voos mais baratos, maiores acessibilidades de transportes e comunicações pela internet. Venha um livro a compilar as aventuras.
Amanhã vai apresentar as suas aventuras numa conferência em Lisboa.

As fotos são do site do João Oliveira, em  http://www.emviagem.net/

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Mats Magnusson

Hoje deu para matar saudades de alguns jogadores que via no antigo estádio da Luz, quando ia à bola com o meu pai e o meu irmão. Na altura a equipa tinha jogadores como o Valdo, Veloso e Rui Águas.
A SIC transmitiu o jogo de solideriedade a favor das vítimas do sismo do Haiti entre o Benfica com antigos e actuais jogadores e uma equipa composta por diversas vedetas internacionais, como o Zidane. O jogo teve momentos engraçados. Foi bom rever o Chalana a jogar, o Stefan Schwarz e até o Neno na baliza.
O momento alto, para mim, foi a entrada do jogador que conheci com o nome de Mats Magnusson, o excelente ponta-de-lança sueco. Grande marcador, esta noite, foi uma surpresa ver os quilos a mais e pernas a menos. Ainda chegou a caír sozinho, mas valeu a espera. Ali estava um jogador humilde que chegou a Portugal em 1987, desconhecido e que depressa começou a marcar. Vi o esforço que fez e o contributo que deu à festa. Grande Magnusson!

Um cartoon do Henrique Monteiro mostra muito bem as figuras do Jogo.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

"Pantanal" foi há 20 anos

Em 1990 estreava uma novela de enorme sucesso no Brasil. Lembro-me de a ver na RTP2 com uma imagem pouco nítida da antena de televisão. Quebrou com os temas normais das novelas que passavam e investiu num cenário ecológico com uma história sobre um boiadeiro que se apaixona por uma citadina e toda a sua família. O encanto da novela estava mesmo na utilização das imagens da natureza combinando músicas electrónicas e de violão. Ao som da chalana que subia o rio ou das caravanas de bois com as canções ao pé da fogueira. Para quem vê parece um slogan de viagens para a região pantaneira do Brasil.

A novela tinha sido recusada pela Globo e mais tarde a Rede Manchete avança com o projecto e torna-se o maior sucesso que chegou a bater a própria Globo. A Produtora não resistiu à falência e os direitos acabaram por ser adquiridos pela Globo. No Brasil já passou 4 vezes, incluindo a última à cerca de um ano que causou polémica por ter sido transmitida pela SBT.

O genérico é o meu "guilty plesure" e que podemos ver no Youtube fazendo suspirar algumas pessoas nostálgicas. Tudo muito natural e na natureza. Seria curioso ver por onde param alguns dos actores que tiveram sucesso e entretanto não apareceram mais. Já passam 20 anos.

Fotos daqui, daqui e também daqui.
Informação completa sobre o elenco aqui.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

O filme do momento.

O Futuro do cinema discute-se hoje sobre formatos em vez dos conteúdos. Depois do cinema de animação ter optado pelo digital e mais tarde pelas imagens a 3 Dimensões, a indústria procura reproduzir o mesmo efeito no cinema de "carne e osso". Para fugir às piratarias e à Alta Definição que vai surgindo em cada lar, em cada computador, a produção de filmes vira-se para o grande ecrân a 3 Dimensões. Aproveitam para subir o preço dos bilhetes e vender mais uns óculos.

Lia outro dia sobre a descida do número de espectadores e da subida dos lucros das distribuidoras. Para menos pessoas interessadas em filmes, vai-se buscar mais dinheiro aos que se mantêm interessados. Também, com o tempo que tem feito, o cinema mantém-se o escape dos fins-de-semana nos centros comerciais.
Mas, todos achamos que o 3D veio para ficar. Falta saber se os argumentos também se mantêm frescos e interessantes ou então passaremos a ver jogos electrónicos no cinema.
Fica mais dificil para os actores que passam a representar em estúdios verdes e com tecnologia por todo o lado e ganham os produtores com menos saídas para o terreno.
O "Avatar" chegou mesmo para fazer história. Muita discussão tem gerado e muito se fala dos efeitos nefastos nos miúdos e na cabeça das pessoas. Acho que é uma questão de adaptação. Antes víamos dinossauros de plasticina a lutar, comboios a vir na direcção do ecrân e as pessoas fugiam. Agora, é o futuro. Vamos ver tudo a 3D.

sábado, 9 de janeiro de 2010

Uma semana a discutirem o casamento gay

Ontem, toda a comunicação social estava concentrada na votação dos projectos de lei, na Assembleia da República,  para a aprovação do casamento entre pessoas do mesmo sexo.
Concordo com a opção que permite a uma minoria ter acesso à liberdade de escolha entre casar e não casar. Os heterossexuais também podem ou não casar, porque não estender essa opção a todos?
A minha chamada de atenção vai principalmente para os excessos nas rádios e nas televisões, sobre um assunto que está assumido por cada um de nós e que acabamos por enjoar as múltiplas opiniões que surgem por todo o lado, e que muitas vezes só faz descer o nível de linguagem. Há muitos mais assuntos que nos preocupam actualmente e que não são referidos. Infelizmente, há muita gente para quem este assunto passa ao lado e que apenas procuram sobreviver no dia-a-dia. A mim, deu-me para desenhar sobre o assunto.

Se a opção do referendo fosse para a frente seria uma frustação para quem teve a ideia e uma chatice para muitos que não iriam pôr os pés no dia da votação. Recordo bem a minha votação bem solitária numa escola, no primeiro referendo sobre o aborto.
Falta muita, mas mesmo muita informação e formação para os portugueses poderem discutir assuntos tão sérios e que não podem ser atirados para a rua levianamente. Gosto sempre daquela expressão que surge sobre "fazer um grande debate nacional" e adiar ainda mais para o futuro, decisões que outros países já tomaram e que podemos ver os resultados.
Que tal reflectirmos sobre o que queremos para o futuro, a nível individual e comunitária. O que podemos fazer para melhorar a vida de todos nós.

Começo o ano com reflexões. É a melhor maneira de afinar os pensamentos e começarmos a trocar ideias boas.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Dubai

Foi inaugurada a maior torre do mundo, com cerca de 800 metros, no Dubai. Fiquei espantado a ver as fotos do arranha-céus e dos arredores. É impressionante o talento do Homem na Engenharia e na Arquitectura. Na Economia e Finanças é que tropeça. A torre custou 1500 milhões de euros e o Estado está falido. Será a última torre a ser construída? Quem tem dinheiro para fazer apartamentos até à Lua?

Confiava no Dubai para preencher o meu imaginário das cidades futuristas da BD e do cinema, mas vejo que construír o que sempre imaginámos como sendo o futuro, é mesmo muito caro!
Podemos continuar a construír em altura, mas quem terá dinheiro para morar lá? E a Terra ainda tem algum espaço para fazer uns prédios. A não ser que o objectivo seja colocar toda a população mundial em torres e deixar mais espaço para a natureza, a fauna e a flora. Não deve ser esse o caminho.

Aqui deixo um desenho da cidade imaginada para um filme da série "Aliens". Estamos a caminho de estender a roupa a 2km de altitude e aproveitar o tempo do elevador para dormir enquanto sobe até ao 345º andar, perto de um café, 3 andares acima e do supermercado um pouco mais alto.
Eu, por mim prefiro prédios até ao 5º andar. Dá menos confusão nas reuniões de condóminos.

Links: Foto e Desenho

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Viajantes - Megan McCormick

Mais uma grande viajante do Travel Channel, Megan McCormick. Gosto muito da simpatia que irradia enquanto viaja e conhece pessoas. Mantém observações frescas e um pouco ingénuas. É uma das apresentadoras do programa “Global Trekker” e mantém-se no activo ainda a viajar por todo o mundo. E já esteve em Portugal.
Nasceu em 1973 e cresceu na Florida, EUA, tendo tirado o curso de Filosofia e ciência política na Universidade de Boston.
Antes de se juntar à equipa do programa, trabalhou como professora de inglês no Japão e nos bastidores de um programa da MSNBC “The News with Brian Williams”.

Como viajante solitária, visitou a Ásia e a Europa, por países como Japão, Tailândia, Vietname, China, Mongólia, Fraça e Bélgica, Inglaterra e Irlanda, Java e Sumatra, na Indónésia.
Soube do programa por um amigo que é actor e achou que seria um trabalho de sonho. Desde então viajou por muitos outros países.

O que ela diz:
"When I travel on my own I like to see where the road will take me (which frequently means getting lost!)"

"All of these experiences have informed who I am and have given me an enriched perspective. Plus, if I have any memories that start to fade I have a good video to watch to remind me."

"My mom had a map of the world on the hallway growing up and a subscription to National Graphic. It's her fault I can never get a "real" job!"

"I like Japanese, Thai, and the odd hot dog from a bar called Rudy's in New York City."

"The strangest looking thing I have eaten was probably the fruit bat in Micronesia. It was pretty scary looking but well attired by the chef who had tied a little yellow bow around its neck. It tasted like chicken, of course!"

"On drinking "lemonade" made of ants and eggs: "I tell you the truth when I say, it ain't no Countytime Lemonade, but if it had had a little sugar, it would have been nice, actually!"

"I'd like to visit Bhutan because it is still so untouched and I imagine it to be a very beautiful inspiring place."

"I went to Inner Mongolia with my mother and friend and they have the fastest horses I have ever ridden! I was hanging on for dear life! We ate local food and slept under the stars. It was one of the best trips of my life."


Links:

domingo, 3 de janeiro de 2010

Dakar 2010 - Argentina/Chile


Aí está ele de volta às areias do deserto de Atacama e às pampas argentinas. Não é a mística do deserto do Sahara e das dunas da Mauritânea, mas é tão ou mais difícil que o outro. Gostei muito do logotipo deste ano e espero uma boa classificação para os pilotos portugueses. A mais dura prova de rally do mundo apresenta também um jogo online para quem como eu ficam sentados no sofá a ver algumas das melhores imagens daquele território.
Como todos os anos, os produtos que vendem na loja online são caríssimos. Tive sorte de apanhar alguns no Dakar mais curto de sempre há 2 anos, entre o CCB e os Jerónimos. Este vai superar o anterior.