sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Equilíbrios

Passou mais um Carnaval, ligeiramente diferente dos outros anos, mas o pessoal não deixou de se divertir. Deu para perceber que a crise é uma boa semente para bom humor, boas ideias e para maior divertimento. Como a vida é feita de equilíbrio, contrapomos a falta de dinheiro com maior necessidade de festa.
Os dias continuam de céu azul e com muitas alergias, frio de noite e quente à tarde, menos concertos musicais e mais tosses em concerto nos transportes públicos. O equílibrio das partes mantém-se.


Lembrei-me deste desenho por ver mais pessoas a lerem livros e jornais por pads ou e-books. Por acaso consegui ver este kindle no metro e não gostei da primeira impressão. Também já vi o ipad e achei mais parecido com uma televisão para ver filmes. Não sei como será com os livros, mas numa coisa bate, é pelo peso dos livros que a maior parte leva para ler no metro. É cada calhamaço, parece que só vejo os livros de 800 páginas. Eu ando com um de 400 e já acho que é grande. Vai mesmo pelo gosto de cada um. Enfim, o equilíbrio mantém-se.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Ai se eu te pego

1. Tá rolando um sucesso do Brasil "Ai se eu te pego". E pegou mesmo! Já o oiço em todo o lado e ainda não chegou o verão em Portugal. Antes os sucessos brasileiros chegavam só na estação seguinte ao nosso país, mas agora não dá para chegar atrasado com a Net. Até já a ouvi na creche da pequena.


Mas penso que chegou em boa altura. Adequa-se à relação entre as finanças e os contribuintes ou mesmo à vaga de constipações e gripes nos transportes públicos.
A canção é tão simples que até parece que não é nada, mas faz mexer os braços e a anca. Podem muitos odiar a canção (e há-de fartar a todos), mas pega bem de ouvido. No carnaval já se sabe que vai ser até gastar.

2. E passou mais um dia dos namorados com a normal corrida aos ramos de flores. E continuo sem entender se alguém compra os ursinhos, as almofadas em coração ou os diplomas para "melhor namorado/a do mundo". Todos os anos vejo à venda, mas nunca vejo ninguém a comprá-los. Mas se estão nas montras, vendem. Por mim, não sigo o dia, ofereço noutros dias. Tem de se ir namorando.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Vou passar a andar a pé

Entramos em fevereiro com o mesmo clima de Janeiro. Frio, sol e medidas criativas para pagarmos mais ao Estado. Subiram este mês os passes e demais bilhetes de transporte, com um novo título chamado "navegante" que substitui os passes do metro e da carris.
No Porto existe um chamado "andante" e em Lisboa ficou o "navegante". Pensava eu que pelo nome iria incluír o transporte fluvial no Tejo, mas não, tem de ser um combinado com os barcos. Podiam ter puxado pela cabeça e chamar-se "passante", sendo um passe ou "pedante", pelas vezes que vamos de pé ou pelo valor que atinge na carteira.


Com isto tudo e aproveitando o tempo, comecei a ir a pé do Terreiro do Paço até à Avenida de Liberdade, fazendo uma bela caminhada logo pela fresca. Tenho aproveitado para observar as pessoas, as lojas a abrirem e a arquitectura dos edifícios da baixa. Por enquanto, apanho o metro na volta do trabalho, mas começando a clarear o dia, começo a ir a pé também.
Só não dá para atravessar o Tejo a nado, mas também sem o barco iria perder os "modelos" que desenho diariamente.