quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Segurava na mala da mulher


Outro dia na travessia do Tejo. Um senhor mais velho com um olhar abstraído. As mãos tremiam. A esposa ia à janela. Desenhei-o com menos rugas na cara. Levava a mala da mulher ao colo, bem segura. Nestas idades tem de haver apoio dentro do casal para enfrentar os ritmos de quem viaja diariamente e não acompanha toda a informação que surge em todo o lado (horários, escadas rolantes, direcções...).
Aproveito para desejar a todos um bom Natal. A época da família. Conjugar diferentes gerações e abraçar os mais velhos.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Travessa do Despacho


Hora de almoço. Subi a Travessa do Despacho vindo da Rua de Santa Marta em Lisboa. Travessa estreita e com muitos estendais de roupa. Aproveitei e fiz um desenho em 15m. Logo surgiu uma viatura que parou em frente à garagem. Quando o dono voltou e quis subir, tive de me colocar bem encostado a uma porta. Sabia que no fim da travessa estava lá outro carro estacionado. Enquanto terminava alguns detalhes ouvi a discussão entre o dono do carro e uma mulher. Começou suave com pedidos de desculpa, passou para "não sabem ver onde estacionam" e acabou tudo aos gritos com "alhos" e outras palavras sobre a mãe do senhor. Ninguém veio à janela espreitar a discussão que por ali deve ser o dia-a-dia. Voltei pela rua do Passadiço já sem os dois carros à vista.
P.S. Achei curioso uma toalha a secar com o nome e o logotipo de um hospital. Deve ter sido uma oferta.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Coros de Natal no Barreiro


Chega a época do Natal e gosto de ver os Coros nas Igrejas. A acústica é excelente para a entoação de belas vozes e os cânticos deixam-nos aconchegados, sentindo aquela "calor" junto das pessoas e próximo de uma paz interior, esquecendo por momentos o stress de pessoas às compras.


O primeiro Coro a cantar foi o da Junta de Freguesia de Alcântara. Não gostei do acompanhamento com órgão em algumas canções. O segundo a entrar foi o CorUTIB do Barreiro. Um fotógrafo circulava pela Igreja da Nossa Senhora do Rosário no Barreiro. Fui desenhando o que conseguia ver no meio das cabeças da assistência.


E terminou com o Coro Audite Nova da Igreja de São João de Brito. Foi o que gostei mais. Tudo cantado à cappella, com canções tradicionais portuguesas, canções inglesas e americanas. 
Terminei o úlimo desenho e passei aguarela no local. Uma senhora ao meu lado já não tirava os olhos do meu caderno. Num dia de nevoeiro e frio, estas vozes aqueceram-nos o corpo e a alma.
Com isto acabei mais um caderno que tinha começado em Junho deste ano.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Outono na Avenida


As cores de Outono estão nas folhas caídas,
nas roupas quentes, 
no cheiro da castanha assada,
nos passeios das avenidas,
onde as pessoas apanham um pouco de sol
na pausa de almoço.

Comecei a desenhar a rapariga sozinha,
logo apareceu um rapaz com o seu phone
ficaram os dois naquele banco,
acrescentei o quiosque do Tivoli,
o rapaz a olhar de lado para um tipo com um caderno
e a rapariga de olhos fechados.
Não faltou o padrão da calçada
e terminei com gosto a minha pausa.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Ainda se fala em SIDA


Primeiro de Dezembro, ex-feriado e data da comemoração da restauração da independência mas que poucos se vão lembrar de homenagear. A nível internacional comemora-se o Dia Mundial da Luta contra a SIDA. Uma questão que desde os anos 80 foi perdendo importância nos nossos pensamentos, mas que ainda é um problema para milhares de pessoas. Lembro-me do susto que era no final dos anos 80 ir cortar o cabelo e ver o cabeleireiro a usar a navalha ou os anúncios a avisar as pessoas que podiam apertar a mão a pessoas seropositivas ou não ter receio de espirros. Os anúncios eram assustadores e em todo o lado se pensava em sexo seguro e preservativos.
Passaram os anos e parece que já não existe porque não se fala, mas é sempre preciso cuidado e assim surgem campanhas dirigidas aos adolescentes cada vez mais criativas. A empresa de preservativos Durex quer criar um emoji para ser usado nas sms e afins junto com toda a salada de imagens que representam sexo. A MTV avançou com um emoji e uma campanha bem maluca para chamar a atenção da malta mais nova. As mentalidades mudaram em 20 anos.
Tudo isto porque ouvia um telefonema, na travessia do barco, de uma mãe ao filho. Quando ele falou em testes da SIDA, a mãe assustou-se mas tratava-se de um workshop. Logo depois já desabafava com o marido. Achei engraçada a situação, mas trata-se um assunto que devemos ter sempre presente.