sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Criando personagens de pessoas reais


Há dias em que me apetece brincar um pouco no desenho. E começo a desenhar as pessoas que vejo com as feições e posturas mais exageradas. Como se abonecasse (não soa bem) os coitados e coitadas que são expressos assim no caderno de um desconhecido.


Vou pela sensação que me dão e daí o marcador vai correndo e aparecendo um nariz enorme, pernas pequenas ou até um "sempre em pé".
Sabe mesmo bem relaxar assim desta maneira no fim de um dia de trabalho. O apetite surge sem pensar e só paro quando saio dos transportes públicos.
Criamos personagens de pessoas reais e só falta escrever uma pequena estória inventada à volta dessa personagem.
Vale a pena experimentar de vez em quando. É libertador e divertido.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Suspense no desenho


Um dia ao voltar de Lisboa, um passageiro que ia ao meu lado adormeceu. Aproveitei logo para o desenhar. Mas quando olhava para os pormenores da cara, parecia que o homem ia acordar e não queria que ele olhasse e ver-me especado. Parecia cena de filme de suspense, quando os vilões resmungam ou ressonam quando se quer tirar a chave da mão deles.
Mas deu para captar os detalhes. Provavelmente o passageiro de trás devia estar a estranhar ver-me a inclinar em direcção ao homem.

Aproveito para fazer publicidade para uma exposição que quero ir ver dos Urban Sketchers Portugal na Casa dos Mundos.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

O Gorro Vermelho


Neste dia voltava do trabalho na primeira semana de trabalho de 2016. Um pouco cansado e talvez com peso a mais da época de Natal. 
Tem sido um Janeiro atípico em termos de tempo. Costumava ser muito frio, com sol e sem chuva, mas com o El niño no Pacífico, acho que teremos um ano atípico. Por isso estranhar ver gente com gorros e cachecois. Já sei que os miúdos nas escolas podem ir de calções no Inverno mas não deixam de usar o seu cachecol. Em relação aos gorros é que me faz transpirar quando vejo um. Neste caso não era dia de jogo do Benfica, por isso chamou-me a atenção. Na minha moldura visual via o vermelho do gorro e umas belas unhas pintadas da mesma côr. O resto era o cinzento invernal.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Últimos desenhos de 2015


Ano Novo e os últimos desenhos do ano velho. Um desenho rápido enquanto almoçava sozinho no "Vitaminas" ao lado da estação Baixa-Chiado. Eram 4 empregadas na conversa porque eu era o único cliente na altura e desenhei uma delas a pôr as contas em dia nos registos.
Tinha comprado no Ponto das Artes uma caneta Copic Multiliner e experimentei logo ali. Desliza mesmo bem no papel. 
Depois apanhei o barco para o Barreiro e reparei num rapaz ao lado a ler um livro chamado "Novice", que pesquisei e é de uma escritora autraliana chamada Trudi Canavan. Os livros do Fantástico têm mesmo saída. Já não consegui desenhar na passagem de ano e ainda não me estreei este ano.
Um Bom Ano para todos! Tudo a pegar nas canetas e nos cadernos.