quarta-feira, 30 de março de 2016

Esquina destruída


Na véspera da Sexta-feira Santa, fui aproveitar o sol na pausa de almoço. Dei com esta esquina destruída entre a Travessa de Santa Marta e a Rua do Passadiço, em Lisboa.
Trata-se de uma esquina onde muitas viaturas passam para o Instituto Oftalmológico Dr. Gama Pinto e daí as paredes estarem todas riscadas e de várias cores das portas dos carros.
Enquanto estive a desenhar desviei-me várias vezes para os táxis fazerem a curva. Mas não imagino que viatura possa ter dado cabo do corrimão da varanda do edifício. Um camião não teria margem para fazer a curva e as carrinhas não são tão altas. Mistério.
Viam-se bem os tijolos e as vigas da estrutura. Uma cicatriz aberta para deixar quem passa a imaginar o resto.

terça-feira, 8 de março de 2016

Dia Internacional da Mulher


Dia Internacional da Mulher é uma ocasião para lembrar das dificuldades que ainda permancecem no mundo nas questões de respeito e tratamento das mulheres. Existem muitos campos de luta nas mais variadas condições. No Ocidente há uma maior evolução, mas ainda há detalhes como nos salários e outras diferenças profissionais.
Neste dia há sempre dados e estatísticas que nos deixam a pensar, em que julgamos sempre que a evolução é maior do que na realidade é. Há ainda muito por fazer e principalmente nas mentalidades que por estes dias estão a regredir com o crescimento do fanatismo religioso e abusos no trabalho, com a desculpa da crise e do desemprego.
Não esquecer este dia. 

sexta-feira, 4 de março de 2016

29 de Fevereiro de 2020


Um desenho do dia 29 de Fevereiro de 2016. O dia que é estranho e surge apenas para acerto dos dias de calendário. Lembro-me sempre que calha em anos Olímpicos e não me esqueço.Pensei nos bebés que nasceram na segunda-feira e cujo próximo aniversário será em 2020.
Fiz o desenho ao final do dia. Uma rapariga que dormia junto à janela. Parecia estar muito confortável e não se mexeu durante toda a viagem. Fui desenhando, atento aos detalhes e sabendo que não seria apanhado de surpresa a olhar. 
Atrás de nós estavam uma mulher que conversava com o colega de trabalho, sobre todas as tropelias do cachorro lá em casa. A senhora contava as peripécias com muita energia e emoção. O homem ia acompanhando a conversa, mas notava-se o cansaço e a pouca disposição para o tema.
Daqui a 4 anos mais um dia 29.

quarta-feira, 2 de março de 2016

Chuva e sol. Um gato junta-se à festa.


Sábado passado, um convívio de família no aniversário do avô da minha mulher.
97 anos é uma vida em cheio. 
Aproveitei o momento antes do bolo de aniversário, para desenhar no quintal enquanto 
a chuva estava no intervalo. 
Um dos gatos andava por ali e ficou. 
Ficou muito bem no papel. 
Estava muito frio e húmido, por isso colori em casa.