terça-feira, 14 de março de 2017

Desafio "One week 100 people" 2017













Um desafio proposto pela Liz Steel e pelo Marc Holmes. Desenhar 100 pessoas em 5 dias? Será possível? Foi possível e muito divertido. Muitos aceitaram o desafio e foi um treino geral para desenhar a figura humana nos mais diversos cenários. Venham mais um desafio!

quarta-feira, 1 de março de 2017

Aniversário do Avô Zé


É sempre uma alegria ver alguém de família festejar um aniversário, mas este foi especial. O Avô da minha mulher fez 98 anos e reuniu-se a família para festejar essa bela idade. Desafiaram-me a desenhar o homenageado e lá fiz um bem rápido. Acho que tirei uns anos a ele, mas em desenho quem manda é a nossa cabeça e como vemos as pessoas pelos nossos olhos. E sabe tão bem registar estes momentos de família em papel.
Parabéns Avô Zé!

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Revisão Automóvel


Levar o carro à revisão é sempre um momento em que ficamos a pensar no que poderíamos estar a fazer de útil em vez de estar ali parados. Como tinha um compromisso pedi ao mecânico que tivesse o carro pronto antes das 11h00. 
Fiz o desenho a meio da operação e ele demorou cerca de 40 minutos. Mostrei-lhe o desenho no fim e disse-me que tinha sido rápido a fazer. Agradeci também a rapidez dele. Pelas 10h00 saí da oficina.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Terreiro do Paço - Barreiro


No passado dia 25/01/2017 um acidente com um dos ferrys que faz a travessia Lisboa-Barreiro, numa manhã de muito nevoeiro, enviou o "Antero de Quental" (os ferries têm todos nomes de escritores) para o estaleiro e assim ficámos com menos um operacional. Tenho apanhado em alguns horários barcos mais pequenos que normalmente fazem a travessia entre o Seixal e Lisboa. Estes apenas levam cerca de 200 passageiros em relação aos maiores que têm uma capacidade de 600. Neste dia não arranjei lugar, mas aproveitei para desenhar o ambiente. A rapariga de frente topou o que eu estava a fazer, mas não se mexeu. Talvez do cansaço do dia.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Para lá e para cá. No Tejo.


Num dia em que a carreira das 09h00 foi efectuada por um barco do Seixal (Transtejo) para a travessia Barreiro-Lisboa, a passageira à minha frente agarrava as malas por causa do balanço da ondulação em pleno Tejo. 


No barco das 18h20, vindo de Lisboa, uma senhora tricotava e restantes passageiros agarrados ao telemóvel. O desenhador presente nos 2 desenhos - apeteceu aparecer. Com este desenho terminei mais um caderno (A6 - Canson Artbook one).

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Jardineiros na Avenida da Liberdade



Hora de almoço, um passeio pela Avenida da Liberdade. Vi 2 jardineiros a plantarem flores nos canteiros. Fiquei a desenhar e no fim mostrei-lhes o desenho. Fiquei a falar com o chefe de equipa que está a dar formação aos mais novos. Explicou-me como se alinham as flores conforme o formato do canteiro e do problema do bicho da palmeira. As flores (cyclamen persicum) devem aguentar até Maio. São vermelhas e ajustam-se bem às cores desta Quadra. 
Um Bom Natal para todos! E desenhos na consoada.

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Dorme-se no balançar do barco


Há dias em que é dificil manter a leitura de um livro. O balançar do barco na ondulação do Tejo embala-nos num sono curto e profundo. E fico de livro aberto e cabeça caída a dormir. Por isso pego no caderno de desenho e capto as outras sonolências que são embalados nesta Travessia.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

O miúdo dos cromos


A semana passada, no Metro, reparei num miúdo com a avó. Tinha nas mãos os cromos de jogadores de futebol. Explicava à avó quem eram e os que já tinha repetidos. Penso que ela não deve estar a par das novas aquisições dos clubes da Liga principal portuguesa, mas ia comentando com o neto. Ele muito entusiasmado com as figuras e eu aproveitei para desenhar o conjunto familiar. Uma ligação geracional que é necessário fortalecer.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Um nadinha frustrante


São diversas as situações que passamos na vida que nos deixam um nadinha frustrados. Mesmo que as coisas corram bem, há sempre algo que não ficou como queríamos e isso é um pouco frustrante.
Deve ser um aspecto que é necessário para nos manter um pouco humildes mesmo no sucesso e quase completa satisfação. E há sempre uma pequena coisa que nos deixa frustrados.
Desabafos à parte, há sempre o prazer de desenhar nos transportes públicos. O senhor que "apanhei" no metro acordou e ainda me viu a desenhá-lo. Ficou sem reação. 
No barco, duas raparigas que estavam sentadas atrás do rapaz de capuz viram-me a desenhar e comentavam sobre o desenho do metro. Estavam com um pouco de receio de serem desenhadas, já que estavam no meu campo de visão. Mantive-as no anonimato para seu descanso e acabei por não captar os gestos das duas, que ficariam mesmo bem no caderno. Foi um nadinha frustrante.

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Exposição de cartazes do cinema português na SNBA


Aproveitei a hora de almoço para dar um pulo na SociedadeNacional de Belas-Artes para ver a 1ª exposição de cartazes do cinema português. Tenho visto alguns em Mupis na Avenida da Liberdade. Uma iniciativa da Academia Portuguesa de Cinema. Patente também no Hotel Tivoli e na Cinemateca.

Na sala de exposições tive oportunidade de ver cartazes dos diversas décadas. Interessante ver o desenvolvimento no design e a utilização de diferentes técnicas (desenho, colagem ou fotos de cenas dos filmes). Desenhei uma esquina onde tinha cartazes dos anos 90, alguns conhecia dos postais que eram ditribuídos gratuitamente nos cinemas. Foi dificíl desenhar os detalhes dos cartazes e assim optei por alguns em fotografia. Vale a pena ver a exposição. Há possibilidade de ganhar um poster num sorteio.