Por este rio abaixo...

Começa o frio e a chuva, umas castanhas assadas e umas greves dos transportes públicos. Vamos-nos adaptando aos novos tempos. A agitação das "massas" já não passa por gritos, insultos e manifestações. Acho que cada um de nós pensa que "isto um dia rebenta", mas não se vê fisicamente nada a suceder que mexa com toda a gente. Acaba por ser feito por pequenos grupos e iniciativas sem gaz.


Já hoje lia uma reportagem de um jornalista americano na revista Courrier Internacional, a descrever como foi possível amanssar a juventude americana. Concordo com algumas das análises, de facto uma sociedade de consumo e a televisão amolecem qualquer cabeça. Achei mais contundente a análise sobre os empréstimos para os estudantes pagarem propinas. É uma maneira do pessoal ficar mais sossegado com medo de perder a hipótese de o pagar mais tarde. Assim, o objectivo é acabar o curso rapidamente e depois arranjar trabalho para pagar o empréstimo e aqui acaba por ser uma maneira de logo em novo estar preso a alguma coisa, não ter liberdade de reclamar ou ainda pior ir preso pelas "lutas estudantis". Muito interessante toda a análise (até desliguei a televisão e fiquei a ler o resto) e que nos permite pensar um pouco nas revoluções do século XXI. São diferentes e previsíveis.

Comentários

hfm disse…
Bela análise!

Quanto ao modelo eu fico muito desconfortável quando percebeo que o meu "modelo" percebeu de algum modo que o estava a desenhar.