Dê-me uma raspadinha.


A loucura continua! A raspadinha vende-se muito bem em todo o lado e esgota muitas vezes. Acho curioso o vício da raspadinha. Joguei algumas vezes, mas fico logo frustrado quando não sai nada. Mantenho o jogo clássico do Totoloto como que a picar o ponto da sorte semanal e de vez em quando experimento encher o balcão de tinta da raspadinha.
Para algumas pessoas é viciante e muitas têm método - Se já saíu prémio grande numa loja, já não jogam ali; pedem o primeiro ou último bilhete; raspam com uma moeda grande ou pequena, pedem de vários lotes...
O melhor é pedir uma premiada na loja em jeito de brincadeira e logo começar uma boa conversa com histórias sobre ganhadores e curiosidades. As histórias valem bem o tempo e os 2 euros perdidos a raspar.

Comentários

Margarida disse…
Fantástica observação :-)
Eu sou daquelas que diz "se me saisse...", mas e jogar? não jogo! por isso a probabilidade do sair é nula :-)
Bom fim de semana, Henrique.