Viagens dos anos 80...

Lembrei-me outro dia de uma viagem que fiz ao Norte há uns anos atrás. Ainda era miúdo e viajei com a família num Fiat 127 de um tio meu.
Na altura, as viagens ao Norte era feitas pela N1, o que levava um dia inteiro a chegar. Os camiões pelo caminho, atravessar a cidade de Coimbra, passar no Porto, em Lamego ou por outras cidades, dava um maior interesse à viagem.
Comprava-se fruta nas estradas com o quintal ao pé e puxava-se bastantes vezes do mapa para a orientação nas localidades do interior. Era uma aventura!
Ouviam-se cassetes gravadas vezes sem conta, parava-se para comer umas sandes no campo e bebia-se a água de fontes à beira da estrada.
Eram viagens muito desconfortáveis, longas e com demasiado peso. Com tão grande distância, era necessário carregar com mais bagagem, pois eram mais os dias de estadia para compensar tão longa viagem. Com malas e sacos entre as pernas e ao colo.
O mapa das estradas está hoje totalmente diferente. Hoje, ninguém pede para trazer as alheiras de Mirandela, o presunto de Chaves, os ovos moles de Aveiro. Deixámos de dar tanto significado a essas pequenas coisas.
Mas, aquela viagem que vi através do vidro daquele pequeno carro era um mundo de sensações com paisagens diferentes e maiores diferenças entres as gentes das diversas regiões. Sem multibancos e telemóveis, as férias eram dignas de um livro de viagens.

Comentários

Cláudia disse…
oh que saudades
ainda me lembro das cassetes de Abba, Rao Kyao, etc ouvidas mesmo vezes sem conta :)
como era boas as viagens no Fiat 127 aquele tanque de guerra em que as mudanças só entravam à porrada
quanto às alheiras eu lembro-me delas todos os dias e quando lá vou não me esqueço delas!!!!!!
Jitos priminho
Cláudia disse…
houve até quem dissesse vezes sem conta "este Douro nunca mais acaba"...
ou mesmo quem se queixasse de uns pontapés durante a viagem com os célebres sapatinhos de ferro
Jaime disse…
Eu lembro-me dessas viagens mas a recordação mais forte que tenho é do esforço mental para não vomitar continuadamente. Até começar a conduzir eu enjoei em todas as viagens ao Fiolhal...